A dúvida

Diz-me o que arde
devagarinho junto
à lareira,
se são os meus livros
que não gostas ou
as cartas velhas
escritas pelo nexo
dum sonho?
São exclamações ou
protuberâncias da
esfera imperfeita
que assimilaste?
Eu já não sei
dançar tango, amiga…
Sou ossos e carne,
corrupio e cornucópia.
Deixo correr o vórtex
ameno na pia de barro.
Se tudo isto é tão
importante, porquê
divagar?
Sou, és, parto,
pronto, Porto.
Eu não, eu não
sei…